23.01.2017

Receitas saudáveis para o lanche dos pequenos

Bebês, Saúde

É muito importante ter interesse e incentivar a educação alimentar dos nossos filhos.

A alimentação saudável não só previne contra inúmeras doenças como também aumenta a qualidade e expectativa de vida, melhora o desempenho escolar, a criança aprende com mais facilidade, tem mais resistência às doenças e quando adoece tem recuperação mais rápida.

Vejam no post de hoje dicas de comidinhas saudáveis da nossa parceira nutricionista materno-infantil Dra. Bruna Albuquerque

Happy Baby Child Eats Itself With A Spoon

A formação de hábitos saudáveis deve ser iniciada de forma precoce visando desenvolvimento e crescimento dos pequenos, além de prevenção de doenças crônicas associadas aos maus hábitos, que hoje em dia acometem bastante a nossa população, inclusive as crianças.

O consumo de uma alimentação “limpa” constituída por alimentos de verdade como: frutas, verduras, legumes, cereais integrais, leguminosas, oleaginosas, ovos e carnes magras afasta dos nossos pequenos a chance de desenvolver sobrepeso/obesidade, hipertensão, alterações de glicemia, colesterol alto, compulsão alimentar, agitação, ansiedade, dificuldade de aprendizado, distúrbios de sono, câncer entre outros problemas de saúde que uma alimentação rica em industrializados pode causar.

Vejam algumas dicas de lanches saudáveis e fáceis para prepararmos para os pequenos!!

Salgadinho de painço

  • 1 xicara de painço cozido
  • 1 xicara de couve flor crua ralada
  • 250 g de frango desfiado já cozido e refogado com alho, cebola, azeite e sal rosa
  • 2 col de sopa de azeite extra virgem
  • 1 col de chá de sal rosa
  • 1 gema de ovo
  • Semente de chia ou gergelim

Modo de preparo: Bater no liquidificador ou no processador a couve, painço e o frango até formar uma massa. Enrole os salgadinhos, pincele a gema e salpique chia ou gergelim. Leve ao forno por 35 a 40 min, ou até que fique dourado.

 

Docinho da energia

  • 2 col de sopa de biomassa de banana verde
  • 2 col de sopa de farinha de coco
  • 1 col de sopa de pasta de amendoim
  • 1 col de sopa de óleo de coco
  • 1 col de sopa de cacau em pó
  • 20 g de açúcar de coco
  • Coco ralado seco sem açúcar (para empanar)

Misture os ingredientes até formar uma massa e depois enrole os docinhos. Passe os docinhos em coco seco ralado sem açúcar.

 

Pão de queijo roxo

  • 500g de batata-doce roxa  (pode ser a batata doce comum também) cozida
  • 500g de polvilho azedo
  • 1 xícara (chá) de azeite
  • Sal rosa a gosto
  • 1 colher (sopa)  de chia
  • 1 copo (100ml) de água


Modo de preparo

Cozinhe a batata-doce roxa. Depois, faça um purê com a batata já cozida. Acrescente o polvilho e os demais ingredientes ao purê até formar uma massa homogênea. Separe as bolinhas e asse em forno a 180° C por 15 minutos.

 

Dra. Bruna Albuquerque é nutricionista materno-infantil da Clínica Patricia Davidson Haiat.
Consultório – (21) 2239.7200 / Rua Visconde de Pirajá, 572, 6° andar, Ipanema | Av. das Américas, 3.500, Toronto 2.000, Loja C, Barra da Tijuca / atendimento@patriciadavidson.com.br

16.01.2017

Coração apertado nas férias

Bebês, Mamães & Papais, Saúde, Viagens, Vida de Mãe

Os dias são lindos e felizes na Disney. Mas hoje queria falar sobre os dias difíceis que vivemos lá.

Resolvi dividir com vocês porque talvez ajude alguém em alguma situação dessas. Na verdade eu espero que ninguém nunca passe por isso…mas…vamos lá.

Estávamos na primeira semana de uma viagem de férias em Orlando com os filhos. Fomos preparados para um frio enorme, afinal de contas, é inverno.

Chegamos e estava muito calor. Todos os casacos ficaram guardados na mala.

Fomos a semana toda de short e regata passear, parecia verão…

De repente de um dia pro outro, acordamos e estava 2 graus! Oi?
Isso mesmo!!!! A temperatura caiu completamente e de repente.

Se a gente sente uma coisa dessas imagina as crianças. No mesmo momento começou uma tosse e um mal-estar em todo mundo que estava na viagem com a gente.

Mas o que mais sentiu foi o Bento, nosso filho (de 10 meses).

Ele começou a respirar estranho e a tossir com um barulho que parecia um cachorro latindo. Não era uma tosse normal, seca ou com secreção…a gente conhece tosse! Era uma coisa muito estranha, um barulho que parecia aquele macaquinho que a gente tinha quando era criança, Murph, quem lembra?

Eu fiquei intrigada, mas até ai tudo bem.

Não levamos ele para passear nesse dia, pois pensei ser uma gripe e achamos melhor deixá-lo em casa.

Mas o coração de mãe não falha e eu comecei a ficar preocupada com ele e resolvi voltar pra casa.

Quando chegamos ele tinha piorado muito, a tosse aumentando e de repente começou a faltar o ar. Ele respirava e o ar não vinha!!

Que desespero!

Liguei pra uma amiga que mora em Orlando e tem dois filhos (mãe sempre lembra de outra mãe nessas horas) e ela me indicou ir num hospital de crianças. Um pouco distante, mas que seria mais eficiente.

Lá fomos nós, muito nervosos com o bichinho sem ar dentro do carro.

Chegamos no hospital 40 minutos depois (se chama Arnold Palmer Childrens Hospital) e ele já estava roxo.

Entrei desesperada com ele no colo enquanto o marido estacionava o carro.

Não vinha uma palavra em inglês na minha cabeça! Um bloqueio de nervoso que nunca imaginei ser possível!

Não falo inglês fluente, mas me viro bem! Nesse momento não vinha nenhuma palavrinha…Tilte completo no cérebro.

A moça da recepção me deu um papel e eu escrevi o nome dele e a data de nascimento. Só.

Rapidamente já fomos atendidos por uma enfermeira que começou os primeiros socorros, depois nos encaminharam pra um quarto, explicamos tudo pra médica, o Bento foi se acalmando, nós também…

A médica já no início da conversa nos disse que ele tinha “Croup” . Sem nem examinar muito. Ou seja, desde o início já descobri que era uma coisa comum aqui esse tal de “Croup”.

Fizeram uma nebulização com algum tipo de remédio, ele foi voltando ao normal, recuperando o ar e nós o nosso…

Eles nos explicaram o que seria o tal do Croup: uma inflamação nas vias respiratórias, que normalmente se dá por vírus. Isso gera uma dificuldade na laringe e traqueia de respirar, to falando de maneira bem leiga mesmo, os ternos técnicos não ser dizer, e isso também é desesperador. Eles falavam os termos em inglês e nós íamos no tradutor pra tentar entender melhor as palavras.

Se já é difícil ver seu filho nessa situação no seu país imagina num outro com as pessoas explicando as coisas em outra língua? Nossa senhora…

Continuando, eles fizeram a inalação com epinefrina e deram um remédio (que chamam de esteroide, que é a corticoide). E um pra febre, muita febre. Tipo 40 graus.

Com tudo mais calmo, umas 3 horas depois, a médica veio e disse:
“Bom pessoal, Bento já está melhor, podem voltar pra casa. Se ele tiver febre, Tylenol. Ok? Bye”

Mas….moça, pelo amor de deus! E um remédio pra isso que ele tem? Não?

E ela respondeu: “Não. Aqui não damos remédio pra dar em casa. Vai embora e coloca ele no “fresh air”, do lado de fora de casa mesmo ou abre a porta da geladeira/freezer e deixa ele respirando um pouco lá! É virose, tem um ciclo, vai passar… Se ele piorar você volta.”

Entendeu?

Gente, que desespero!!!

Fomos embora tensos com o bebê com muita dificuldade de respirar e com aquela tosse bizarra.

Sempre em contato com a pediatra no Brasil que também ficou um pouco de mãos atadas porque não pode receitar nada de longe. (aqui eles não vendem nada sem receita médica, nem soro fisiológico)

Ele ficou melhor…durante 2 horas.

À noite foi um pesadelo, acordava sem conseguir respirar direito o tempo todo.

Quando acordamos, ele estava com aquela tosse cada vez mais forte e de repente foi ficando sem respirar, o ar não entra, e ele foi ficando vermelho e roxo e…..

Saímos correndo para o hospital de novo.

Já cheguei chorando…não conseguia parar de chorar.

Ok. Atenderam a gente de novo no mesmo processo da primeira vez….

Tudo igual.

Inalação, esteroides, remédio…

Ele foi melhorando.

Passava um tempo ele ficava nervoso começava a chorar e lá vinha uma crise de falta de ar de novo.

Meu deus, que desespero gente!

Eu tava tão arrasada que a médica pediu um serviço de tradutor. É assim: você fica com um telefone no ouvido e ela também, ela fala em inglês pra um cara, ele traduz pra mim o que ela falou eu respondo em português pra ele e ele traduz pra ela em inglês. E assim conversamos durante um tempo.

Esse serviço você pode solicitar na sua entrada no hospital, mas óbvio que ninguém sabe. Só nesse caso de desespero e quando alguém tem a boa vontade de ajudar uma mãe aflita.

Entendi melhor os termos técnicos do que ele estava tendo e das medicações que ele estava tomando.

Insisti pra que ela fizesse alguma coisa que fosse mais contínua e ele melhorasse e não que ela mandasse ele pra casa daquele jeito…

Não há o q fazer. Entendi nas duas línguas isso!

Aqui eles agem de forma diferente da nossa e temos que entender isso, né?

E lá fomos nós embora pra casa de novo. Com a sensação de impotência de não poder fazer nosso filho ficar bem e ter que passar por isso sabe lá deus quanto tempo.

Comecei a falar com várias pessoas que conheço pra ver se alguém tinha um remédio que a pediatra do Brasil disse que melhoraria muito a situação. (O nome do remédio é Predsim, nunca mais viajo sem! Consulte seu médico). Uma santa alma tinha.

Até que a médica da amiga que indicou o hospital sugeriu uma pediatra brasileira.

Gente. Sério.

Meu coração se encheu de uma força saber que alguém ia fazer alguma coisa pelo meu filho.

Marcamos uma consulta no dia seguinte cedinho.

Lá fomos nós. O bichinho mal de novo.

Na consulta conhecemos Dra. Flavia Fioretti. Eu nem sei dizer o alívio que eu senti já na hora que ela abriu a porta e disse:

“Oi Bento! Vamos fazer você melhorar tá?”

Ôoooh Dra, você pegou meu coração, fez um carinho nele e colocou de volta.

Ela examinou, explicou tudinho na nossa Língua, tirou todas as nossas dúvidas e entendemos que o tratamento do hospital uma hora até ia melhorar, mas ele ia ficar sofrendo (e nós também ) alguns dias.

Então ela começou um novo tratamento. Com uma regularidade, tomando remédio de tanto em tanto tempo, nebulizando (a clinica dela emprestou o nebulizador, já que aqui eles não vendem em lugar nenhum).

Enfim, voltamos pra casa, começamos o tratamento que ela passou e assim ele foi melhorando aos poucos….

A febre foi espaçando até acabar, a respiração foi melhorando, nós fomos nós acalmando e nosso pequeno foi voltando ao normal…

Ufa. Que alívio pessoal.

Com isso adiamos nossa volta em 1 semana. Pra que ele ficasse bem pra viajar de avião, como indicou a Dra Anja.

E chegou a hora de voltar pra casa.

Com o coração calmo, com a família unida e saudável.

Tiramos várias conclusões que vou contar pra vocês.

1- Não economize no plano de saúde. Ele vai te ajudar muito numa situação como essa! Nós fizemos o April,
www.aprilbrasil.com.br e eles foram sensacionais.

2- Viajar com uma agência de viagens ajuda muito nessas horas. No perrengue o meu agente ficou resolvendo tudo pra mim! A minha é www.pride.tur.br.

3- Evite ir nessas clínicas de rua nos bairros… vá para uma emergência de hospital, de preferência especializado em crianças.

4- Procure uma pediatra brasileira aonde você estiver.

5- Leve alguns remédios importantes pra viagem. (Veja com a sua pediatra)

6- Respire fundo e seja forte. Nossos pequenos tem que nos ver fortes nas situações de dificuldade.

Queria agradecer demais as pessoas que nos ajudaram…

A Fe Pontes e o Diogo, a Dra Eliana (nossa pediatra do Brasil), a Caca e a Regina da @bibidi_boo ,a Geise, a Cris, a Brunella, a Ju Zanon, a Tathi, a Dra Wendy, o Bruno, a Tania, o Paulo Ricardo da agência de viagens que quase ficou doido rs e principalmente a Dra Flavia, que eu nunca vou conseguir agradecer o seu carinho e atenção com a gente Dra, Obrigada pra sempre.

Aos amigos, a galera no meu trabalho e nossas famílias que mandaram todas as energias possíveis pra que tudo passasse logo…

Estamos chegando tá?

Tá Tudo bem.

E pra vocês que leem o blog quero que saibam que esse post foi feito com todo meu amor pra que vocês nunca passem situações assim com os pequenos e caso aconteça,que esse texto ajude de alguma forma….

Orlando, eu te amo tá? Se decide aí se tá calor ou se tá frio e me avisa que eu já já To de volta! ❤

Saúde e amor pra vocês.

Um ano cheio de momentos de alegria!

fernanda rodrigues eua filho bento

medico orlando eua pediatra

Fernanda Rodrigues
14.01.2017

Coleção Nova! Cheguei ao Mundo para Reserva Mini

Bebês, Bebês com Estilo

Estamos com novas peças na parceria Cheguei ao Mundo com a Reserva Mini. Quem já viu?

São vários bodies e t-shirts com estampas divertidas e fofíssimas, para meninos e meninas 0 a 12 anos.

Clique aqui para conhecer e comprar as peças!!

Vejam algumas abaixo! Cada uma mais linda do que a outra…Esperamos que gostem! ♥

reserva mini cheguei ao mundo body crianca

Page 5 of 6434567