07.07.2016

Pós Parto‏: Quanto tempo depois a mulher pode fazer exercícios?

Parto, Saúde, To Grávida

O nascimento do bebê gera uma grande mudança no corpo da mulher. Por isso, após o parto, muitas mães ficam ansiosas para retomar suas atividades e o antigo peso.

Segundo a nossa parceira ginecologista e obstetra, Dra. Viviane Monteiro, o início de atividades é recomendável somente após 6 semanas de pós parto, variando de acordo com a via de parto, recuperação e condição física de cada mulher.

Outra ponto importante é quanto a interferência na amamentação. A atividade física em exagero pode interferir na produção de leite e consequentemente prejudicar a lactação. Por isso, nunca faça exercícios sem aprovação do seu médico.

Vejam as informações que a Dra. Viviane escreveu para o blog e lembre-se sempre de ter bom senso e moderação. Afinal, nada é mais importante na vida do que cuidar do nosso pequeno, né? ;-)

Healthy mother and baby making gymnastics

O corpo sofre várias mudanças durante a gravidez e é natural a preocupação com a recuperação no pós parto. A forma física deve ser recuperada progressivamente e com orientação adequada, respeitando a individualidade de cada organismo.

Alguns aspectos são muito importantes, tais como: disposição para atividade física, melhora da sensação de cansaço, hidratação e alimentação balanceada, melhora da sensação de dor ou desconforto no pós parto, cicatrização (quando parto cesário) adequada…

Segundo a ACOG (Colégio Americano de Ginecologia e Obstetrícia), a liberação para realização de atividade física no pós parto depende da aprovação médica e pode ocorrer tão logo a paciente se sinta disposta à prática de exercícios físicos. Geralmente é recomendável o início após 6 semanas de pós parto, variando de acordo com a via de parto, recuperação e condição física de cada mulher.

A prática prévia de atividade física, as condições gerais durante a gestação, tais como ganho de peso, presença ou não de patologias associadas (hipertensão, diabetes, osteopatia por ex.) também interferem na retomada à atividade física após o parto.

Outra preocupação bastante frequente é quanto a interferência na amamentação. A atividade física em exagero pode interferir na produção de leite e consequentemente prejudicar a lactação. O exercício aeróbico não deve exceder 1h por dia e pode ser reduzido em caso de interferência na amamentação.

A paciência e o aumento progressivo das atividades físicas devem ser respeitados, evoluindo gradualmente a intensidade e frequência. Caminhadas de 10 a 15 minutos , descanso entre as atividades, hidratação durante os treinos e planos de exercícios são ótimas dicas para o reinício correto à boa forma.

Existem pesquisas que sugerem que atividades físicas em excesso (grande intensidade) ocasionam a liberação e acúmulo de ácido lático no leite, gerando um sabor amargo que pode levar à recusa da ingestão pelo bebê.

Atividades físicas como pilates, caminhadas, ioga, ginástica localizada, alongamento e leve corrida podem servir de estímulo. O auxílio de um profissional é sempre bem vindo, pois o acompanhamento e o planejamento dos exercícios ajudam na evolução adequada e evitam complicações associadas à má execução dos exercícios e sobrecarga nos treinos.

 

Dra. Viviane Monteiro é ginecologista e obstetra – Especialista em Medicina Fetal, ultrassonografia em ginecologia e obstetrícia pela CBR e mestre em Ciências Médicas UFF.
Consultório em Ipanema: (21) 2511-4478/ (21) 2259-6652

28.05.2016

Como escolher o pediatra ideal para o seu filho?

Bebês, Saúde, Saúde, To Grávida

São muitas as preocupações com a gravidez e o parto antes do nascimento do bebê, mas nessa fase também é preciso pensar na chegada do bebê e como serão as primeiras semanas e meses com ele.

E uma das decisões importantes que devem ser tomadas com calma e confiança durante a gravidez é a escolha do pediatra do seu bebê. A relação família-pediatra é baseada na confiança e, para isso, é fundamental que se tenha transparência e respeito.

escolher_de_pediatra

Por volta do segundo trimestre da gravidez comece a pesquisar as opções de pediatra, pedir indicações, levantar referências e então marque uma consulta para vocês conversarem. Dessa forma, antes do nascimento do bebê você já terá escolhido com segurança o profissional que irá acompanhá-lo.

Assim como a escolha do obstetra exige uma pesquisa cuidadosa, pois precisa ter uma relação de confiança, segurança e levantamento de muitas dúvidas e informações, o ideal é que o mesmo processo seja aplicado na escolha do pediatra – o dever de casa deve ser feito! E quando falamos da saúde dos nossos filhos,  diversos aspectos estão envolvidos como: alimentação, comportamento, doenças e prevenção. A orientação adequada e boa relação/proximidade com pediatra é fator chave para que os pais se sintam seguros com os cuidados com bebê.

Preparamos algumas dicas para ajudar nessa escolha. Confira!

  1. Determine o que é importante para você – O que você busca em um pediatra? Pouco tempo de espera no consultório, respostas rápidas por whatsapp, convênio, disponibilidade nos finais de semana ou fim do dia, uso de homeopatia? Desses pontos, qual é o mais importante para você? De acordo com seu nível de exigência por requisito você poderá selecionar o pediatra mais adequado às suas necessidades.
  2. Converse muito a respeito – Fale com seus amigos que têm filhos, colegas de trabalho, obstetra, etc. Entenda o que cada um tem a dizer e quais principais atributos destacados para verificar se estão de acordo com as suas preferências.
  3. Agende consultas antes do nascimento – A partir da seleção inicial, marque consultas antes do nascimento para conhecer algumas médicos pessoalmente e tirar todas suas dúvidas. Nessa etapa é importante levar todas as suas perguntas anotadas para assim sentir se aquele profissional está em linha com o que você busca.
  4. Compare os resultados – Depois de coletar dicas de amigos e fazer as entrevistas com base nas suas prioridades (e naquele instinto materno) compare as opções para escolher o seu pediatra.
  5. Não está seguro, mude – Não se sinta mal de trocar de pediatra se não estiver seguro. O principal é a saúde do seu filho, portanto você e o médico precisam ter um bom relacionamento de confiança.
23.05.2016

Sexagem fetal: Descubra o sexo do seu bebê no início da gravidez

Saúde, To Grávida

Pregnant woman holding a tiny baby shoes on her belly

Você sabia que dá para descobrir o sexo do seu bebê logo nas primeiras semanas de gravidez? Isso mesmo! Nem todo mundo sabe, mas com aproximadamente 10 semanas as ansiosas de plantão podem fazer um exame de sangue chamado Sexagem Fetal para saber se vem aí uma menina ou um menino.

O exame não é nada barato e a maioria dos planos não reembolsa, mas quando a curiosidade fala mais alto muitas mães correm para a Sexagem.

Como funciona o exame?

A Sexagem é um exame de sangue feito com amostra de sangue da mãe e não é nada invasivo. O exame detecta a presença ou não de células com cromossomo Y (masculino) no sangue da mãe. A taxa de acerto é de, mais ou menos, 99%.

Não é necessário jejum ou preparação na véspera do exame.

Atenção: No caso de gêmeos ou mais, o teste identifica apenas se há meninos ou não há meninos. Se o resultado for que não há meninos, você saberá que só espera meninas. Mas, no caso de haver meninos, não dá para saber se há meninas também ou não.

Em quanto tempo sai o resultado?

O resultado demora cerca de cinco dias úteis para sair. Depende do laboratório, mas essa costuma ser a média.

Quanto custo o exame?

Depende muito de cada laboratório. No Rio de Janeiro, encontramos valores entre R$ 450,00 a R$ 660,00.

Vantagens do exame:

A principal é matar a curiosidade! rsrs Mas também tem as decisões de nome que já podem ser tomadas logo e o inicio do enxoval. Sem o exame é preciso esperar até mais ou menos a décima sétima semana de gestação para realizar uma ultrassonografia. E ainda tem o risco de erro e do bebê não estar em uma posição boa para a visualização.

Além da sexagem fetal, há outros exames mais invasivos para descobrir o sexo que não são indicados se não houver algum problema com o feto, e alguns exames de urina mais modernos que também prometem informar o sexo. Mas, comparando todos esses exames, a Sexagem é a mais simples, prática e segura de ser realizada para quem está doido para saber logo se é menino ou menina.

Page 2 of 712345