24.04.2017

Mamãe, me ajuda a guardar os brinquedos?

Educação dos Pequenos, Mamães & Papais

Quem dera se os brinquedos aparecessem e desaparecessem como num passe de mágica! Aquele momento em que os pais olham para o chão cheio de pecinhas pequenas não traria a sensação de cansaço só de pensar: “Ah, tenho que arrumar tuuudo isso!!”

Conversamos com a nossa parceira psicóloga, Mônica Pessanha, sobre a importância desse momento e ela nos deu ótimas dicas para lidar com a arrumação dos brinquedos! Confira tudo no texto abaixo! :)

Alphabet blocks and abacus isolated on white

Guardar brinquedos traz para os pequenos senso de autonomia e ajuda na construção da independência. Mas além dessa questão tão importante para o desenvolvimento, guardar os brinquedos proporciona às crianças uma sensação de segurança porque ela perceberá que as coisas estão sempre no mesmo lugar e, se quiserem, saberão onde encontrá-los.

Sabemos o quanto essa tarefa de ajudar as crianças a guardar os brinquedos pode ser trabalhosa. Mesmo com tamanha dificuldade, não desista de ensinar, respire fundo e conte até 10, se for necessário. Lembre-se de que vocês já estão em um caminho certo. Dando exemplos às crianças, elas imitam os adultos e quando você menos esperar lá estarão elas, arrumando a cama, guardando as roupas nos armários e os brinquedos. 

Pensamos em algumas dicas para ajudar os pequenos nesse processo:

1- Paciência: as crianças pequenas precisam de ajudar para compreender que a hora de guardar também é importante. No geral, elas gostam mais de tirar as coisas de lugar do que colocar de volta. Vale brincar de quem guarda primeiro. Dê-lhes tempo para guardar os brinquedos.

2- Se você tem filhos mais velhos, vale deixar uma área separada para que eles brinquem sem formar aquela bagunça e briguem entre eles. Mas isso não é uma regra, até porque os irmãos devem brincar juntos. Isso ajuda apenas na organização das coisas e nas rotinas diárias.

3- Reduza a quantidade de brinquedos disponíveis. A criança não precisa brincar com tudo que ela tem ao mesmo tempo. Você pode ajudá-la a escolher com o que vai brincar . Vale até criar um conjuntos de brinquedos em caixas diferentes. Assim a criança poderá escolher, brincar de comidinha e pegar a caixa com esses objetos!

4-Crie uma música para guardar os brinquedos. As crianças pequenas adoram cantar e dançar e essa pode ser uma boa ferramenta para ensiná-la que quando a mamãe começa a cantar “tá na hora de guardar” os brinquedos. Assim, elas se preparam para recolhê-los.

5- Seja firme, calmamente ignore birras e tire o foco, ofertando à criança outra atividade.

6- Tente aceitar uma certa quantidade de bagunça e aos pouco vá introduzindo as regras. 

Mônica Pessanha é psicoterapeuta de crianças e adolescentes, mãe da Mel, uma menina que adora desenhar, mantenedora das Brincadeiras Afetivas (Oficina terapêutica entre mães e filhos(as) – www.facebook.com/brincadeirasafetivas
Atende no Morumbi – SP – monicatpessanha@hotmail.com / (11)965126887 e (11)37215430 – Orientação e aconselhamento para pais por Skype.

20.04.2017

Contagem regressiva! 10 coisas para fazer um mês antes do seu bebê nascer!

To Grávida

Agora falta pouco!! Seu bebê está quase chegando ao mundo? Então é hora de fazer um checklist de itens que precisam estar resolvidos antes do nascimento.

Confiram 10 coisas importantes para fazer um mês antes do parto!

Pregnant woman's belly with an alarm clock

1) Deixe todas as roupinhas do seu bebê limpas e organizadas na cômoda.

2) Compre e separe as primeiras fraldas RN, assim como a pomada de assadura e o lenço umedecido. 

3) Faça uma última checagem na malinha de maternidade.

4) Prepare o local onde seu bebê vai dormir nos primeiros meses.

5) Teste como se abre e fecha o carrinho.

6) Instale a cadeirinha do carro.

7) Defina quais serão os planos para as crianças mais velhas ou animais quando estiver na maternidade.

8) Se informe ao máximo sobre a amamentação.

9) Defina quem irá te ajudar com a sua alimentação nos primeiros dias. 

10) Aproveite para fazer jantares românticos com seu marido. ;-)

18.04.2017

Conheça os riscos da introdução de alimentos antes da hora

Bebês, Saúde

Quando devemos introduzir os alimentos na vida do bebê? A introdução alimentar é um momento muito importante e cheio de dúvidas.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde recomendam o aleitamento materno exclusivo até os 6 meses. E apenas depois dessa idade que outros alimentos passam a ser necessários.

Vejam as informações da nossa parceira nutricionista materno-infantil Dra. Bruna Albuquerque, da clinica Patricia Davidson, sobre os riscos de iniciar a introdução de novos alimentos antes da hora. Confiram!

Crying baby boy refusing to eat food from spoon with hands dirty

A introdução precoce de alimentos pode influenciar na duração do aleitamento materno, interferir na absorção de nutrientes do leite e aumentar o risco de reações alérgicas. O bebê possui imaturidade renal, hepática e do sistema imunológico, sua microbiota intestinal está se formando e as enzimas que atuam na digestão ainda tem produção insuficiente.

A partir do momento que são ofertados alimentos de forma precoce, principalmente quando existe uma predisposição genética, pode ocorrer inflamação da mucosa do intestino, levando a má absorção de nutrientes e predispondo a absorção dessas macromoléculas para a corrente sanguínea. O organismo reconhece isso como “corpo estranho” (antígenos).

Tal processo pode causar sobrecarga no sistema imune e no fígado, podem ocorrer manifestações alérgicas e formação de anticorpos contra os “corpos estranhos” ao que o organismo foi apresentado.

Alguns exemplos mais comuns de manifestações são: otite, refluxo, dermatite, bronquite, constipação, diarréia, alteração de sono etc.

Além disso o consumo de alimentos antes do tempo pode desencadear doenças crônicas não transmissíveis futuramente. Por isso, somente a partir do sexto mês devem ser oferecidos outros alimentos, com essa idade o bebê já consegue ficar sentadinho e sustentar o pescoço, isso facilita a aceitação dos alimentos ofertados em pedaços ou através da colher. A criança não apresenta mais o reflexo de protusão da língua, o que favorece a ingestão de alimentos semi sólidos, já possui maturidade fisiológica e neurológica e começa a erupção dos primeiros dentes, o que facilita a mastigação.

No que consiste a alimentação complementar? 

É definida como a oferta de outros alimentos ou líquidos à criança, em adição ao leite materno, que já não supre sozinho mais todas as necessidades do bebê.

Procure um Nutricionista para te auxiliar na elaboração de um plano alimentar individualizado para a introdução alimentar do seu filho.

 

Dra. Bruna Albuquerque é nutricionista materno-infantil da Clínica Patricia Davidson Haiat.
Consultório – (21) 2239.7200 / Rua Visconde de Pirajá, 572, 6° andar, Ipanema | Av. das Américas, 3.500, Toronto 2.000, Loja C, Barra da Tijuca / atendimento@patriciadavidson.com.br

Page 4 of 21123456