20.04.2017

Contagem regressiva! 10 coisas para fazer um mês antes do seu bebê nascer!

To Grávida

Agora falta pouco!! Seu bebê está quase chegando ao mundo? Então é hora de fazer um checklist de itens que precisam estar resolvidos antes do nascimento.

Confiram 10 coisas importantes para fazer um mês antes do parto!

Pregnant woman's belly with an alarm clock

1) Deixe todas as roupinhas do seu bebê limpas e organizadas na cômoda.

2) Compre e separe as primeiras fraldas RN, assim como a pomada de assadura e o lenço umedecido. 

3) Faça uma última checagem na malinha de maternidade.

4) Prepare o local onde seu bebê vai dormir nos primeiros meses.

5) Teste como se abre e fecha o carrinho.

6) Instale a cadeirinha do carro.

7) Defina quais serão os planos para as crianças mais velhas ou animais quando estiver na maternidade.

8) Se informe ao máximo sobre a amamentação.

9) Defina quem irá te ajudar com a sua alimentação nos primeiros dias. 

10) Aproveite para fazer jantares românticos com seu marido. ;-)

16.03.2017

Febre Amarela: Saiba tudo sobre a vacina em bebês

Bebês, Saúde

Muitas mães estão preocupadas sem saber se vacinam ou não seus filhos com o surto de febre amarela que estamos tendo em alguns estados.

Conversamos com a pediatra Dra. Danielle Negri e ela nos passou todas as informações sobre idades e dosagem recomendada da vacina.

A vacina só está disponível na rede pública e pode ser feita apenas em crianças acima de 9 meses. Post super importante! Leiam as informações abaixo!

febre amarela bebes

Assim que começou o surto de Febre Amarela no interior do Espírito Santo e Minas Gerais, a procura por vacinas nos postos de saúde tem crescido muito.  Até o momento, já foram confirmados 230 casos da doença nos principais estados acometidos. Desta forma, o Ministério da Saúde tem disponibilizado doses extras da vacina para toda a população do país e não há motivo para pânico.

A febre amarela é uma doença infecciosa viral aguda causada por um arbovírus transmitido através do mosquito infectado. Extremamente letal, pode matar em até 50% dos casos nas formas mais graves da doença. Como não existe tratamento para a doença, a vacinação é a maneira mais eficaz de prevenção.

Praticamente todo o território brasileiro é considerado zona de risco para a febre amarela, já que noventa por cento é composto por matas. Apenas as regiões litorâneas não são consideradas zonas endêmicas. Desta forma, todos os pacientes que irão para essas áreas de risco, devem ser vacinados contra a febre amarela.

Assim como na Dengue, Zika e Chicungunha, medidas de prevenção devem ser aplicadas como o uso de repelentes, telas para mosquito, roupas compridas para se combater o vetor que no caso da forma urbana é o Aedes Aegypti.

A vacina é composta de vírus vivos atenuados e protege em cerca de 95% dos casos. É aplicada de forma subcutânea e, assim como as outras vacinas, pode dar algumas reações como dor local, vermelhidão, um pouco de inchaço, febre, dor no corpo e cefaleia até o sétimo dia da doença.

De acordo com o calendário vacinal, a vacina está recomendada para todas as pessoas que moram em zonas endêmicas e para aqueles que viajarão para as zonas endêmicas. A vacina deve ser feita no mínimo 10 dias antes da viagem.

Número de Doses Recomendadas:

Crianças entre 6 meses e 9 meses de idade incompletos – a vacinação está indicada somente em situações de emergência epidemiológica ou viagem para área de risco.

Crianças de 9 meses a 4 anos de idade – 1 dose aos 9 meses e outra aos 4 anos de idade. Se a criança não foi vacinada aos 9 meses de idade, deve tomar a vacina e o reforço com um intervalo mínimo de 30 dias entre as doses.

Crianças a partir de 5 anos:

Que receberam duas doses da vacina – estão imunizadas e não precisam mais se vacinar.

Que receberam uma dose única da vacina – devem tomar o reforço ainda que sejam adultos.

Que nunca foram vacinadas ou sem comprovante de vacinação – administrar a primeira dose da vacina e o reforço após 10 anos.

Grávidas – a vacina é contra-indicada

Lactantes de crianças com até 6 meses de idade –a vacinação é contra-indicada até a criança completar 6 meses de idade. Caso tenham tomado a vacina, a amamentação deve ser suspensa por 28 dias após a vacina.

 

Dra. Danielle Negri é Pediatra/Neonatologista – Médica Supervisora UTI Neonatal Perinatal Barra
Consultório – (21) 2512-8409 (Leblon) 2430-7109 (Barra)
dradani@daniellenegri.com.br – www.daniellenegri.com.br

08.02.2017

Como o desenvolvimento dos 5 sentidos influencia as habilidades dos bebês?

Bebês, Cuidados Diários

Com quanto tempo um bebê já sente cheiros, enxerga bem e escuta um barulho? Todos os sentidos são importantes para o desenvolvimento dos pequenos. Os bebês, apesar de terem capacidade, não nascem prontos para perceber a complexidade dos estímulos que recebem através de seus 5 sentidos, e tem que desenvolver estas capacidades através das experiências vividas.

A nossa parceira pediatra Dra. Danielle Negri preparou esse post super importante explicando tudo sobre o desenvolvimento dos 5 sentidos. Confiram!

Mother With Baby Doing Gymnastics And Fitness Exercises

As experiências se fazem através dos sentidos. O tato, por exemplo, é talvez o mais primitivo dos sentidos, está presente desde 6 semanas na vida intra-uterina. Após o nascimento o bebê vai sentir calor, frio, a textura das roupinhas, sensação ao toque, estímulos que vão criar experiências boas e ruins. Nesta idade a habilidade da mãe em diagnosticar a necessidade do bebê, satisfazendo suas necessidades pode determinar uma criança mais ou menos tranquila e com repercussões no seu desenvolvimento. O ninar do bebê, aconchegado no colo, sentindo outro corpo colado, vai dar paz e tranquilidade. Experiências sensoriais iniciais determinam a possível extensão da sensibilidade tátil e quanto mais estimulados forem os bebês, melhor será seu desenvolvimento sensorial durante a infância. O tato vai possibilitar ao bebê reconhecer o seio materno e a busca do alimento, vai permitir a organização espacial e organização de seu sistema neural.

É o contato com o mundo através dos sentidos que vai criar o aprendizado. Pelo paladar e olfato, o bebê vai conhecendo os sabores e cheiros dos alimentos, formando seus gostos e preferências. Através da audição aprende os sons, reconhece as pessoas, os ruídos, os sons dos brinquedos , interage com o ambiente e adquire uma gama de habilidades que vão se transformar em palavras e posteriormente na linguagem. Pela visão vai conhecer o mundo, as cores, as formas, os lugares e interagir com seu ambiente de forma plena, todas funções imprescindíveis para um desenvolvimento motor e cognitivo adequado.

– Qual a ordem de aquisição das habilidades motoras?

Com 2 meses os bebês geralmente já sustentam a cabeça.

Aos 3 meses o bebê gira na cama e vira de lado.

Aos 4 meses, senta com apoio, rola, gira no berço, passa objetos de uma mão para outra, leva objetos à boca.

Aos 6 meses já senta sozinho.

Engatinha aos 8-10 meses e fica em pé com apoio.

Entre 9 e 12 meses bebe começa a andar segurando em objetos e frequentemente anda sozinho.

– Como e quando acontece o desenvolvimento de cada um dos sentidos?

Tato – Segundo Lise Elliot, neurocientista, o toque é o primeiro sentido a emergir. Embriões com apenas 5 semanas e meia já tem este sentido e até a 12 semana, todo o corpo já sente.

Olfato e paladar– Sentir cheiro começa na 28 semana- no terceiro trimestre o feto já sente cheiro- sentir cheiro vai ajudar o bebe a reconhecer sua mãe após o nascimento. O paladar se desenvolve no terceiro trimestre da gravidez. Ao nascimento bebes já são capazes de distinguir- o que mais gostam que é o doce.

Audição- a partir do terceiro mês da gestação o feto já consegue ouvir o coração da mãe, sua voz , sons e músicas do ambiente. Entretanto o RN consegue ouvir mas não tem resposta organizada – chora aos ruídos ,se move e se conforta com sons suaves. A organização da audição é mais lenta, tanto que aos 4 meses o bebe já vira, presta a atenção e reconhece a voz. Aos seis meses inicia emite sons, “conversa” e interage, mostrando o desenvolvimento do aparelho auditivo.

Visão- Apesar de existirem evidências que o feto tem capacidade de responder á estímulos visuais, a visão é o sentido que tem seu desenvolvimento mais lento. O bebê tem um foco de cerca de 30 cm com pouca capacidade de adaptação, pouco reconhece cores e não tem noção de distancia. Aos 2 meses movimenta melhor os olhos e fixa mais atenção, aos 3 meses  já consegue focar de um lado para outro, perto ou longe e aos 6 meses ainda não coordena bem a musculatura ocular. Com um ano  já distingue as cores e a visão esta mais organizada em profundidade e orientação.

– Por que é importante deixar o bebê andar descalço?

Andar descalço propicia que a criança conheça mais acerca de seu corpo, veja como os dedos dos pés de movimentem e seu cheiro. Estimula as crianças a caminharem e faz com que a criança tenha mais experiências sensoriais, principalmente quando ela pisa na grama, na areia da praia ou em lugares com texturas diferentes. Ajuda na formação do arco da planta do pé, evitando os pés planos.

Alguns estudos mostram que o movimento do bebê através dos pés descalços pode melhorar o desenvolvimento intelectual.

– Como transformar o banho em importante experiência sensorial para o bebê?

A hora do banho é uma momento de alegria e diversão para o bebê. Esse é um momento em que o contato com a temperatura da água quente ou fria, o manuseio de brinquedos próprios para o banho e a experiência de bater na água e ver aquilo tudo se espalhar, tornam a experiência única.

Algumas dicas de brincadeiras podem tornar o momento mais fácil para a mãe e mais feliz para aqueles bebês que não curtem muito o banho como : comprar brinquedos que fazem bolhas (toda criança gosta de fazer bolhas); chuveirinhos temáticos que deixam o bebê mais entretido no banho (em forma de bichinhos engraçados e animais); brincar de “cadê o avião” que distrai muito a criança, principalmente na hora de lavar a cabecinha; macarrão de piscina cortado em pequenos pedaços promove o contato com textura diferente, boiam e fazem muito sucesso.

Outro aliado importante é a presença de um irmão ou irmã na hora do banho. Eles brincam juntos, interagem, jogam água um no outro e tornam o momento muito rico.

– Ter mobile no berço também ajuda? Existe lugar certo para colocar?

Móbile no berço é um excelente item, não só de decoração para o quarto, mas também funcional para o bebê, devido ás suas cores, texturas e diferentes materiais. Apesar de se pensar logo em estímulo visual que existe com as cores e movimentos do móbile, outros estímulos também são explorados.

A estimulação visual é item importante desse acessório. Nos primeiros dois meses de vida, o bebê não consegue focar adequadamente os objetos, fazer contraste e ter percepção de cores, portanto, deve-se explorar o preto e branco. Após essa fase, ele já destingue as cores, a visão vai ganhando contraste e nitidez. Esse é o momento em que as cores vivas e coloridas dos móbiles ganham importância.

O estímulo motor também é muito explorado com o móbile. No começo, o bebê acompanha o movimento com os olhos apenas. Mais tarde a criança já busca, intencionalmente, o contato com o móbile. Um toque nesse móbile produz movimentos que causam profundo alegria e prazer na criança. Portanto, é muito importante que o móbile esteja bem posicionado na linha média do bebê e na altura adequada para que ele consiga tocá-lo.

O estímulo auditivo também está presente no móbile. Hoje em dia, a maioria deles vem com sons e músicas que são excelentes para o relaxamento do bebê. A percepção do som e até a busca da fonte sonora são estímulos muito ricos para o bebê.

Trocar o móbile de lugar de tempos em tempos também é um importante estímulo para que o ambiente e as interações da criança com o que está ao seu redor construam diversas possibilidades de aprendizagem. Isso trará um desenvolvimento cognitivo e social muito mais eficaz para ela.

Desta forma, percebemos que o móbile é um excelente estímulo para o desenvolvimento neuropsicomotor da criança.

 

Dra. Danielle Negri é Pediatra/Neonatologista – Médica Supervisora UTI Neonatal Perinatal Barra
Consultório – (21) 2512-8409
daninegri@perinatal.com.br – www.daniellenegri.com.br

Page 3 of 1012345