01.10.2015

Papinha do Bebê: Opção pronta com ingredientes orgânicos

Bebês, Cuidados Diários

Com a vida corrida, nem sempre é fácil preparar papinhas na hora para os nossos pequenos. E nós, como mães reais, que se desdobram em mil, precisamos nos virar para achar uma opção prática, sem ser industrializada, para a alimentação dos pequenos.

Recebemos no nosso escritório amostras para conhecer as papinhas do Empório da Papinha, marca de papinha congelada que está fazendo sucesso e sendo super bem avaliada pelas mães. Alguém aqui já conhece? Adoramos as papinhas e o cuidado deles em buscar uma técnica de congelamento que não influencia na alteração de sabor e valor nutricional dos alimentos. E o legal é que as receitas do Empório da Papinha são produzidas e desenvolvidas com ingredientes orgânicos.

Ficamos curiosas para saber mais da marca e fizemos uma entrevista com a fundadora do Empório da Papinha, a Maria Fernanda de Rizzo.

Confiram o bate papo:

papinha_bebe

Como surgiu a ideia de criar o Empório da Papinha? 

O Empório da Papinha surgiu a partir de uma necessidade minha como mãe em dar apenas refeições saudáveis com alimentos orgânicos para a minha filha. Na época, além dos cuidados com ela ainda bebê, eu trabalhava e concluía o mestrado e ao chegar em casa precisava preparar as papinhas. Percebi então que não havia no Brasil uma marca de alimentação orgânica infantil. Incentivada pelo meu marido, resolvi me aprofundar no assunto e depois de muito estudo e planejamento abri o Empório da Papinha, que começou a funcionar no começo de 2009 com uma única loja em Moema, São Paulo, onde também ficava a fábrica. Hoje já estamos em 13 estados com mais de 20 lojas.

Como as papinhas são produzidas, qual é a validade e como é a forma de congelamento/ armazenamento? 

Todas as nossas papinhas e refeições são preparadas com alimentos orgânicos. Também são aprovadas pela Anvisa e certificadas pelo IBD, além de serem feitas em cozinha industrial de acordo com as exigências técnicas do setor. Nossas refeições também não possuem conservantes pois utilizamos um processo inovador no mercado de papinhas, o ultracongelamento. Depois de prontas, as papinhas entram ainda com uma alta temperatura no ultracongelador que tem a função de baixar a temperatura em até -30ºC em no máximo duas horas. Isso garante uma validade de seis meses no congelador sem perder o sabor de comidinha caseira, a textura e os nutrientes, mesmo depois de aquecida. Importante ressaltar também que nossas embalagens são livres de bisfenol A (BPA), ou seja, podem ser aquecidas que não causam problema para a saúde.

Vocês possuem nutricionistas próprios?

Sim, temos um time de nutricionista e técnica em nutrição que acompanha toda produção, além de criar as refeições balanceadas e adequadas de acordo com cada faixa etária.

Para qual idade as papinhas são indicadas? 

Temos papinhas para bebês a partir dos seis meses onde se inicia a introdução alimentar e já é possível consumir as papinhas de frutas. Depois entre seis e oito meses o bebê pode comer as sopas creme. E de oito a 12 meses a sopas com pedaços.

Há vários tipos e sabores de papinhas?

Sim, hoje temos mais de 80 produtos no nosso portfólio entre papinhas (de frutas simples, frutas combinadas, sopa creme e sopa com pedaços), Linha Single (refeições para crianças a partir de 12 meses) e Linha Family (refeições que atendem toda a família, principalmente o pai e a mãe), além das sobremesas.

Para os pequenos que já estão comendo papinhas, vale a pena conhecer mais no site www.emporiopapinha.com.br.

 

 

*Publieditorial

24.08.2015

Cereais Integrais: Quando e como oferecer aos seus filhos?

Bebês, Saúde

Os cereais integrais estão ganhando cada vez mais espaço nos hábitos alimentares dos adultos. Mas e para as crianças? Podemos dar aveia, linhaça, chia e quinoa para nossos pequenos?

O Ministério da Saúde recomenda que se inclua cereais e grãos por volta dos 7 meses. Lembrando que eles devem estar cozidos como arroz ou aveia cozida.

Confira no texto abaixo todas as explicações da nutricionista Nara Corona sobre o consumo de cereais integrais por crianças.

Happy Baby Child Eats Itself With A Spoon
Cereais são na maioria das vezes muito confundidos com grãos. Dividir esses dois grupos certamente seria tarefa difícil para qualquer pessoa. Entre os cereais mais consumidos pela população brasileira, podemos incluir arroz, milho, cevada, aveia, trigo, e mais outros tantos cerais integrais. E é justamente desse grupo dos integrais que iremos falar.

Aveia, linhaça dourada, chia, quinoa e o trigo sarraceno fazem parte dessa classificação: os cereais integrais. A principal característica deles fica muito clara se prestarmos atenção assim que consumimos, que é fornecer energia para nosso corpo. Essa é a razão para esse grupo de alimentos ser o mais consumido na história dos nossos antepassados. Por serem fáceis de armazenar por longos períodos, ricos em carboidratos, em fibras, e muito deliciosos também!!!!!

Crianças menores de dois anos podem conhecer alguns desses alimentos assim que iniciam alimentação complementar, para isso dos 6 meses aos 2 anos eles devem entrar no prato com o cuidado de sempre. O Ministério da Saúde recomenda que se inclua cereais e os grãos por volta dos 7 meses. Lembrando que eles devem estar cozidos como arroz, ou aveia cozida. Esses podem ser introduzidos por volta dos 7-8 meses, já os cereais crus necessitam de mais tempo para que o organismo do bebê amadureça e assim se beneficie desse grupo que estamos falando. Caso contrário as fibras podem levar ao desconforto abdominal pela fermentação.

Por volta de 12 meses, a aveia pode entrar no prato por cima de frutas, assim conseguem aumentar ainda mais as quantidades de fibras daquela refeição. Muitos pediatras liberam antes desse período na forma cozida. Trigo, milho, aveia, trigo sarraceno podem desencadear reações por hipersensibilidade em algumas crianças, dai mais outra razão para serem introduzidos com mais cautela.

Depois desse período, cereais podem fazer parte da rotina alimentar, contribuindo para melhora do funcionamento intestinal, da saciedade para as crianças mais gulosas, do aporte de vitaminas do complexo B assim como de minerais. Aos dois anos de idade todos os cereais integrais ou refinados podem entrar no dia a dia deles, respeitando claro as preferencias alimentares de cada criança.

Importante lembrar que sempre quando houver situação de ritmo intestinal acelerado, esse consumo de fibras extras da dieta precisa aguardar para retornar assim que as funções estejam normalizadas.

 

Nara Corona é nutricionista pós-graduada em Nutrição Clínica Funcional pela Unicsul /VP Consultoria Nutricional – Divisão de Ensino e Pesquisa São Paulo, é sócia da Consultoria Nutricional Nara&Duda Alimentação Inteligente, administra a fanpage Nara&Duda, atende em seu consultório no Leblon e na Barra da Tijuca, no RJ. Contatos: naracorona@globo.com naraedudanut@gmail.com Tel: (21) 98836-1994 / 2492-3360 fb: Nara&Duda

13.06.2015

Método BLW: Deixe seu bebê comer sozinho com as mãos

Bebês, Saúde

blw bebe comendo sozinho

Esqueçam as papinhas e os talheres! Vamos deixar os pequenos colocarem a mão na massa! ;-)

A proposta do método BLW (Baby Led Weaning, que pode ser traduzido como “Desmame guiado pelo Bebê”) é que a criança se alimente sozinha, com as próprias mãos. É uma forma natural e livre de introdução alimentar, onde o bebê pode desenvolver sua autonomia e descobrir os alimentos, conhecer texturas, cheiros e sabores.

No BLW, o bebê participa da refeição com a família, É um momento cheio de descobertas, onde os alimentos sólidos são introduzidos de maneira descontraída, sem pressão.

Achamos super legal esse método e, por isso, pesquisamos mais para fazer esse post completinho contando tudo sobre o BLW.  A técnica vem ganhando força no mundo inteiro e muitas mães têm relatado experiências positivas com seus filhos.

Mas, atenção, antes de iniciar, converse com o pediatra do seu filho sobre a introdução alimentar e sobre esse método para ouvir a opinião dele!

Confiram tudo sobre o método BLW:

Com que idade posso começar?

De acordo com a recomendação da Organização Mundial da Saúde, até os 6 meses as crianças devem ser alimentadas apenas com leite materno. Somente a partir dessa idade ela já está apta a comer alimentos sólidos e iniciar o BLW.

Como iniciar?

  • Coloque a criança sentada na mesa com a família ou na própria cadeirinha de comer dela;
  • Corte os alimentos em pedaços pequenos ou palitinhos que a criança consiga pegar e colocar sozinha na boca;
  • O alimento deve ser colocado na frente do bebê ou na mão do bebê para que ele coma no seu próprio ritmo, sem pressão dos pais;
  • Ofereça alimentos variados;
  • Alimentos que já foram rejeitados devem ser oferecidos novamente.

 

O que não fazer:

  • Pressionar a criança para comer logo o alimento. Um bebê que resiste muito a colocar um alimento na boca, pode ainda não estar pronto para comê-lo;
  • Tentar evitar a sujeira que o bebê irá fazer. Prepare-se para a bagunça e curta junto com seu pequeno;
  • Não deixe o bebê sozinho durante o processo. A criança devem ser sempre monitorada.

 

Pontos positivos:

  • Permite que o bebê explore mais e descubra os alimentos;
  • Desenvolve a autonomia do bebê;
  • Desenvolve a coordenação motora;
  • Incentiva a alimentação diversificada;
  • Respeita o ritmo do bebê;
  • Estimula a função mastigatória do bebê.

 

Pontos de atenção:

  • Um dos maiores medos é em relação ao risco de engasgar. Segundo especialistas, é mais fácil o bebê engasgar com alimentos dados na colher do que com os que ele consegue pegar com as próprias mãos. Isso porque a criança desenvolve primeiro a habilidade de engolir, depois a de mastigar e só depois a de colocar alimentos na boca. Por isso, quando o alimento é dado na colher, não há como garantir que ele já tem essas habilidades e o risco de asfixia é maior;
  • Castanhas e frutas com sementes grandes não devem ser oferecidas;
  • Ter cuidado com a higiene do local e das mãos do bebê;
  • Importante que os pais fiquem atentos para que o bebê ingira a quantidade ideal de nutrientes necessários.

 

Page 4 of 823456