22.08.2016

Gravidez: Saiba quais são os nutrientes mais importantes para a sua alimentação

Saúde, To Grávida

Na gravidez muitas mulheres ficam preocupadas apenas com a questão do ganho de peso gestacional. Mas você sabia que a qualidade dos nutrientes consumidos nas refeições também é muito importante?

Segundo a nossa parceira nutricionista materno-infantil Dra. Bruna Albuquerque, não adianta a mulher ter um ganho de peso legal se a oferta de nutrientes for pobre. Afinal, o que realmente importa é a qualidade da alimentação, né?

Conversamos com a Bruna sobre a importância do ganho de peso com saúde e ela listou no post de hoje vários nutrientes fundamentais para o desenvolvimento do bebê. Confiram!

peso_gravida_oquecomeralimentos_nutrientes

Vamos pensar nesse momento como o tempo da programação metabólica de um novo ser, ou seja, durante esses 9 meses o bebê está em constante fase de “construção”, por isso nada mais justo do que fornecer as melhores matérias-primas para gerar uma vida saudável.

Veja abaixo alguns nutrientes que são fundamentais para a saúde das mamães e seus bebês:

Ácido Fólico

O ácido fólico é uma vitamina muito importante na gestação, sua necessidade está aumentada em função da rápida divisão celular, fechamento do tubo neural e desenvolvimento fetal. Suas principais fontes são as carnes, verduras, folhas verde-escuras (espinafre, brócolis, couve), leguminosas (ervilhas, feijão e lentilha), laranja e gema de ovo.

Vitamina D

A vitamina D é uma ótima aliada para aumentar a imunidade materna, atua na formação óssea do bebê e ajuda a prevenir a pré-eclampsia, resistência à insulina e diabetes gestacional, parto prematuro e raquitismo. Por isso é tão importante manter os níveis adequados ao longo de todo o período através de alimentação adequada, suplementação e exposição ao sol.

Iodo

O iodo também tem papel importante na maturação do sistema nervoso central durante o período gestacional, assim como na lactação. Ele é importante para o crescimento e desenvolvimento dos órgãos da criança. Alimentos como frutos do mar, algas, vagem e agrião são fontes bem ricas.

Ômega 3

O ômega 3, ácido graxo essencial não produzido pelo nosso organismo, também é de extrema importância na formação cerebral, tem papel importante no aprendizado, memória e elevação de QI. Auxilia ainda na prevenção de depressão após o parto. Fontes de gorduras boas como: chia, linhaça, nozes, atum, sardinha, salmão, aranque são interessantes para a alimentação materna.

Ferro

O mineral ferro é um ótimo aliado na prevenção da anemia, que costuma ser frequente na gestação. Os vegetais verdes escuros são boas fontes, sendo a couve o vegetal que mais contém esse micronutriente.

Frutas Cítricas

As frutas cítricas possuem altas concentrações de acido cítrico, vitamina C e flavonóides. São importantes fontes de antioxidantes e ajudam a fortalecer o sistema imunológico contra infecções, gripes e resfriados, além de aumentar a absorção do ferro presente nos vegetais verdes escuros, feijões e carnes.

Cálcio

O cálcio é um mineral importante para formação óssea. E você sabia que ele não está presente apenas no leite? Há alimentos com altos teores de cálcio, que podem ser incluídos no cardápio: verduras verde-escuras, gergelim, algas, amêndoas, feijão, leguminosas, marisco, tofu (queijo de soja), ovos e nozes.

Magnésio

O magnésio, presente no abacate, espinafre, grão de bico, couve, nozes, semente de girassol, ajuda a prevenir a pré-eclampsia e hipertensão gestacional e reduz o aparecimento de câimbras, já que ajuda no relaxamento muscular.

Colina

A colina, presente no ovo, ajuda no desenvolvimento cerebral fetal e é reguladora da memória e atenção do bebê.

 

Dra. Bruna Albuquerque é nutricionista materno-infantil da Clínica Patricia Davidson Haiat.
Consultório – (21) 2239.7200 / Rua Visconde de Pirajá, 572, 6° andar, Ipanema | Av. das Américas, 3.500, Toronto 2.000, Loja C, Barra da Tijuca / atendimento@patriciadavidson.com.br

15.08.2016

O que toda mãe de primeira viagem deve saber?

To Grávida

Engravidar é conhecer um mundo totalmente novo, cheio de amor, medos, felicidades, insegurança… É estar com os hormônios a mil, é errar querendo acertar, é sentir culpa, mas viver momentos inesquecíveis…São muitas emoções ao mesmo tempo na maternidade, né?

Outro dia postamos na coluna #PapoDeMãeCM do nosso Instagram @chegueiaomundo a seguinte pergunta: “O que toda mãe de primeira viagem deve saber?” e recebemos respostas lindas, dicas, depoimentos reais e emocionantes. Decidimos fazer um post com alguns dos comentários aqui no blog. Vejam que lindos!

gravida_primeiros dias_recem nascido

1)”Não se culpe por não saber, seu bebê vai te ensinar a ser mãe.”

2)”Apesar de sentir um amor inexplicável por aquele serzinho que acabou de nascer, sentir angustia, tristeza e sensação de impotência diante de tantos desafios é normal, e que com o tempo vai melhorar.”

3)”Somos mais fortes do que imaginamos, e sempre confie no seu instinto.”

4)”Que tudo passa.”

5) “O primeiro mês é punk, peça ajuda, você não precisa fazer tudo sozinha.”

6) “O recém-nascido pode chorar muito e dormir por pouco tempo entre os intervalos. No começo você pode se sentir solitária, com uma rotina estranha. Que você pode sentir exaustão e que nos culpamos por tudo. Que é importante compartilhar com outras mães, é importante aceitar ajuda.”

7)”Que a felicidade de te-los nos braços compensa isso tudo e muito mais.”

8) “Que construa uma rede de apoio no pós parto com pessoas que confie e se sinta à vontade para pedir ajuda nem que seja pra lavar louça ou fazer comida, pois amamentar requer que nos alimentem bem.”

9) “Enxoval e sexo do bebê não são tão importantes. Importante mesmo é se preparar fisicamente e psicologicamente por toda a gestação pro momento do parto.”

10) “Se não der certo amamentar não é falta de amor ao seu filho.”

11) “O primeiro mês é bem difícil e amamentar não é tão natural como muitos falam. É doloroso, difícil, mas quando passa e acerta a pega fica maravilhoso. É ver o amor crescendo até o infinito na aproximação dos que amamos e aprender tudo novamente pelos olhos daquele ser tão pequenininho e adorável.”

12) “Sua vida vai mudar completamente, você vai achar que não dá conta, amamentar não é fácil, mas o amor aumenta a cada dia e vai ser a melhor escolha da sua vida, por mais difícil que pareca.”

09.07.2016

Ligeiramente Grávida – Shirley

Ligeiramente Grávida, To Grávida

O “Ligeiramente Grávida” de hoje tem um relato lindo e verdadeiro da Shirley, autora do blog Macetes de Mãe.

A Shirley tem dois filhos, o Leo e o Caê, e contou pra gente como foi a descoberta da segunda gravidez, o dia a dia cansativo de uma mãe de dois e o sentimento inexplicável de ver o amor entre irmãos florescer.

Adoramos conhecer mais a sua história Shirley! Confiram!

shirley_hilgert_segundo_filho_gravida

Sempre pensei em ter dois filhos. Mas confesso que, depois da chegada do primeiro, durante um bom tempo, achei que ficaria só nele. As coisas foram bem difíceis com o Leo, principalmente no primeiro ano (ele teve APLV), e só fui voltar a pensar em ter o segundinho quando ele já estava com 2 aninhos.

Só que aí, nem deu muito tempo para pensar. Assim que parei de evitar, já engravidei. Isso mesmo! No mês que decidimos “liberar”, minha menstruação já não veio mais. E, coincidentemente, ao que tudo indica, foi no dia do aniversário de 2 aninhos do Leo.

E aí, eu estava grávida do meu segundo filho, com o primeiro ainda pequeno, e isso foi me gerando algumas dúvidas e inseguranças: Será que eu daria conta de dois? Será que Caê daria tanto trabalho no primeiro ano quanto deu o Leo? (Leo não dormia, Leo tinha refluxo oculto, APLV, entre outras coisas…) Como Leo encararia a chegada do irmão? Sentiria muito ciúmes? Eu conseguiria dar conta do blog, que já era o meu trabalho, tendo agora dois filhos?

Enfim, me vi perdida em meio a uma série de dúvidas mas, ao mesmo tempo, algo, bem lá no fundo, me dizia para eu ficar calma, me tranquilizar, que tudo daria certo. Afinal, essa não era minha primeira experiência como mãe. Com o Leo eu já tinha vivido tanta coisa, aprendido tanto, que com o segundo tudo tenderia a ser mais fácil.

E, de certa, forma foi. Mesmo o Caê tendo me dado também muito trabalho nos primeiros meses (em função de uma bronquiolite que o deixou internado aos 3 meses de idade), mesmo ele não dormindo uma noite inteira até hoje (ele tem 1 ano e 4 meses), mesmo eu tendo que lidar com o ciúmes sempre presente do Leo, eu ainda acho que a chegada do segundo filho é bem mais tranquila para nós, mães,que a chegada do primeiro.

Com o primeiro filho tudo é novo, a gente não sabe o que está por vir, a gente aprende sobre tudo a todo instante e, sendo assim, a insegurança e o medo de errar estão sempre presentes. Já com o segundo, esse desejo de ser a mãe perfeita e de acertar sempre já não nos persegue mais. A gente sabe que não é um errinho aqui e outro ali que vai jogar tudo por terra. Sabe também que o bebê não quebra, que nem tudo gera traumas e que no fim, se houver muito amor, tudo dará certo.

Eu não vou dizer que ter dois filhos é fácil, pois não é mesmo. Dá bastante trabalho, demanda demais da gente. Mas, ao mesmo tempo, também traz um amor, uma alegria e uma de plenitude tão grandes que é como se a gente sentisse que nosso mundo está completo.

Sou daquelas mães que não esconde a verdade: ter dois filhos, muitas vezes, é de enlouquecer e de dar vontade de fugir de casa por alguns dias. Mas, ao mesmo tempo, é uma delícia inexplicável ver o amor entre irmãos florescer, ver a cumplicidade entre eles crescer e ver o nosso mundo se transformar por completa com tamanho amor e alegria.

Page 5 of 3434567