18.01.2014

As Uvas!

Bebês, Cuidados Diários, Saúde

iStock_000017521029Small

O encanto começa literalmente no cacho! É amor à primeira vista por essa fruta com jeito de brincadeira. Qual bebê ou criança não se encanta por tirar aquelas bolinhas uma a uma e dar na boca do pai ou da mãe? Como um teste, percebem que os pais adoraram e logo depois colocam então a primeira uva na boquinha. Pronto, a relação entre os dois começou: fruta pequena, com colorido forte, de textura lisa e polpa docinha, conquista mesmo os pequenos!

Mas o que ela guarda de mais precioso ali dentro? Muita energia e potássio, um mineral fundamental para o funcionamento dos músculos, que somado a toda essa reserva de carboidrato vira um verdadeiro combustível para quem está em fase de desenvolvimento. Essa então seria uma ótima opção para o lanche das férias ou da escola. Sucesso garantido! Lembrando sempre que para os menores o ideal é optar pelos tipos de uva sem semente, para evitar sustos desnecessários. Outro ponto que vale chamar atenção, é que a época certa de cada fruta deve ser respeitada sempre que possível, assim você terá frutas mais frescas e mais doces na sua mesa.

A composição das uvas varia de acordo com o tipo, cor e solo. Os principais nutrientes presentes em todas elas são a água, carboidrato, as vitaminas A e C e o potássio. Mas nas cascas das uvas mais escuras estão os flavonóides, que exercem atividade antioxidante sobre o nosso organismo, protegendo e prevenindo contra diversas doenças e retardando o envelhecimento celular. Quanto mais escura for a uva, maior o teor de antioxidantes!

Vejam duas ideias legais para o uso da uva na hora do lanche:

1) Espeto gelado de uva: Bem simples e bem refrescante! Basta pegar um espeto e preencher com uvas verdes e roxas (se preferir, pode deixar as uvas diretamente em um prato). Deixar no congelador de um dia para o outro e retirar na hora de comer. Nesse calor esses “gelinhos de uva” vão ajudar a refrescar as crianças e as futuras mães.

2) Iogurte com uvas: – 1 copo de iogurte natural (se quiser variar, os de cabra e ovelha são ótimas pedidas e bem mais leves)  – 1 cacho de uva – 1 colher de sobremesa de óleo de coco Bata ou misture bem o iogurte e o óleo de coco (ele irá diminuir a acidez do iogurte). Corte as uvas ao meio, mergulhe-as no creme batido e sirva!

 

Nara Corona é nutricionista pós-graduada em Nutrição Clínica Funcional pela Unicsul /VP Consultoria Nutricional – Divisão de Ensino e Pesquisa São Paulo, é sócia da Consultoria Nutricional Nara&Duda Alimentação Inteligente, administra a fanpage Nara&Duda, atende em seu consultório no Leblon e na Barra da Tijuca, no RJ.
Contatos: naracorona@globo.com naraedudanut@gmail.com Tel: (21) 98836-1994 / 2492-3360 fb: Nara&Duda

 

02.12.2013

As Primeiras Papinhas do Bebê

Bebês, Cuidados Diários, Saúde

O momento de migrar do leite para a alimentação complementar costuma gerar muitas dúvidas entre as mamães. Recebemos alguns e-mails pedindo para falarmos mais sobre o assunto e para isso conversamos com a nutricionista Paula Costa Leite.

Confira as dicas sobre como lidar com essa fase tão importante!

iStock_000005523258XSmall

As Primeiras Papinhas do Bebê – por Paula Costa Leite

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o aleitamento materno deve ser exclusivo nos 6 primeiros meses de vida do seu bebê. Depois dos 6 meses devem ser introduzidos, gradativamente, alimentos complementares, seguros e nutricionalmente adequados. Tudo isso associado ao aleitamento materno que ainda deve ser mantido até os 2 anos de vida. Lembre-se que o leite materno é insubstituível!

Um bom começo é com frutas nos intervalos das mamadas, principalmente na forma de sucos. Os sucos serão os primeiros a serem introduzidos e deverão ser coados, ok?! Passada a fase do reflexo de expulsão, as papinhas de frutas e as hortaliças já podem entrar na alimentação do seu bebê. Elas podem ser preparadas utilizando peneira grossa ou garfo. A partir daí é introduzido o almoço e por volta de 7-8 meses se introduz o jantar. De forma gradativa pode-se aumentar a consistência, picando ou desfiando os alimentos, até chegar à alimentação da família. Os alimentos sempre devem ser oferecidos com colher.

Desta forma, aos 7-8 meses a alimentação do seu bebê já será composta de colação e/ou lanche e almoço e/ou jantar, associado ao leite materno ou fórmulas infantis.

Como ter mais sucesso na introdução de alimentos?

  • Introduza um alimento por dia, variando os grupos, assim ao final de uma semana seu bebê já terá experimentado um alimento de cada grupo. Os grupos são frutas; legumes e verduras; cereais; leguminosas e carnes.
  • Ofereça alimentos após as mamadas para que a criança fique bem alimentada. Para aqueles que continuarem recusando o alimento, pode ser oferecido antes. Esse processo deve ser feito de forma gradativa até que substitua a mamada correspondente do horário.
  • Fique atento porque a quantidade de alimentos varia de acordo com a capacidade gástrica do bebê, que pode não aceitar a mesma quantidade em todas as refeições e nem em todos os dias.
  • É importante não adicionar açúcar, temperos industrializados e nem muito sal. Dê preferência aos ingredientes frescos e aos temperos naturais (manjericão, alecrim, orégano, alho, cebola).
  • Atenção: O mel não deve ser utilizado antes de 1 ano de idade.
  • Não ofereça alimentos com calorias vazias. Ex: doces, frituras, refrigerante, balas, etc…
  • Modifique a forma de apresentação dos alimentos para evitar a monotonia e evite misturar os alimentos.
  • Clara de ovo e oleaginosas (castanhas) só devem ser introduzidos após o primeiro ano devido ao risco de alergias.

 

Sugestões de papinhas:

1)      Frango, mandioquinha, salsa, beterraba, chuchu e espinafre

2)      Inhame, musculo, escarola, chuchu e abóbora, tomilho

3)      Carne, abóbora, batata e couve, cebola refogada

4)      Carne, batata, cenoura e alface e alho poró

5)      Frango, lentilha, batata doce, beterraba, abobrinha e bertalha, alecrim

6)      Macarrão de letrinhas, carne, cenoura, molho de tomate caseiro e manjericão

Na hora de servir a papinha, acrescentar 1 colher de sobremesa de azeite extra virgem.

 

Dra. Paula Costa Leite
Nutricionista Clínica Funcional
Tel: 2220—7323 (consultório)

15.10.2013

Enjoos durante a gravidez: o que fazer para amenizá-los?

Saúde, To Grávida

Você está sentindo muitos enjoos durante a gravidez? Confira as dicas da nutricionista Paula Costa Leite e saiba que alimentos ajudam a diminuir o mal-estar típico dessa fase.

woman with a strong toxicosis

 

Enjoos durante a gravidez: o que fazer para amenizá-los? – por Paula Costa Leite

Assim que engravidamos, ficamos tão felizes, emocionadas, ansiosas e cheias de expectativas! Porém, logo nos deparamos com as primeiras dificuldades: os chatos enjoos e aquela vontade louca de passar mal, às vezes muito mal! Isso tudo acontece em função da progesterona, que reduz a motilidade intestinal e a comida demora mais para ser digerida.

Normalmente os enjoos são piores até o terceiro mês e são mais frequentes pela manhã.

Aqui vão algumas dicas para amenizar este problema!

  • Comer de 3/3h em pequenas quantidades, para facilitar a digestão e evitar ficar de estômago vazio;
  • Evitar alimentos com cheiro forte, como temperos picantes, industrializados, frituras e alimentos gordurosos;.
  • Usar hortelã e gengibre para temperar o alimento e para preparar molhos e sucos, pois eles são ótimos ingredientes para auxiliar na digestão;

Dica: colocar folhas de hortelã na salada, macerado com azeite. E o gengibre pode ser batido com uma fruta, no tempero de frango ou peixe.  Ex.: Suco de abacaxi com hortelã e gengibre.

  • Dar preferência a frutas com caldo para evitar desidratação. Ex.: laranja, melancia…
  • Pela manhã, assim que acordar, comer algum alimento sólido, como torradas ou biscoitos salgados, pois ficar de estômago vazio também contribui para o enjoo;
  • Beber bastante líquido ao longo do dia para evitar a desidratação;
  • Evitar deitar-se logo após as refeições, principalmente almoço e jantar.

Infelizmente não existe nada milagroso para cessar toda essa indisposição, mas com essas dicas é possível amenizar os sintomas!

Dra. Paula Costa Leite
Nutricionista Clínica Funcional
Tel: 2220—7323 (consultório)
Page 3 of 3123