15.05.2017

Ligeiramente Grávida – Edilene

Ligeiramente Grávida, To Grávida

A Edilene é a nossa convidada de hoje no “Ligeiramente Grávida”. Ela é advogada, mãe de 3 crianças (9, 5 e 3 anos) e tem o lindo blog Etc & Mãe, focado em alimentação infantil.

Vejam que emocionante a história da gravidez de cada filho dela e dos três partos diferentes que ela vivenciou.

gravida maternidade filhos
Oi genteee! Meu nome é Edilene, sou advogada e também escrevo o Blog Etc& Mãe. Tenho 3 filhos e minha “escadinha” é composta pelo José Carlos de 9, Théo de 5 e Estela de 3 anos, que são minhas inspirações e razões de viver.

Quando mais jovem, nunca consegui imaginar que seria mãe. Filha única, meu convívio com crianças era limitado aos meus primos, e minha paciência era bem reduzida, então, como ter filhos? Mas, ao casar, parece que acendeu uma luz interna de que a nossa união tinha que ter um propósito maior.

Com um pouco mais de 3 anos de casamento, levamos um baita susto: uma gestação ectópica e um quadro de endometriose. Não planejávamos ter um filho naquele momento, mas a possibilidade de não ter (endometriose seguida de retirada de uma das trompas), causou um certo desespero.

1 ano de tratamento e veio a opção médica: engravidar em até 3 meses ou uma nova videolaparoscopia. No terceiro mês, o melhor teste que já fiz em toda minha vida acendeu 2 risquinhos: José Carlos, nome dado em homenagem ao meu pai falecido há 37 anos, estava a caminho.

Sua gestação foi muita tranquila, tive bolsa rota (rompimento da bolsa gestacional) com 39 semanas e 5 dias, e como sentia muitas dores (e tinha pouca informação), pedi a cesárea que foi supertranquila, pós-parto também, ele era um bebê dos sonhos, mas fiquei frustrada com a forma que nasceu, já que havia idealizado um parto normal.

Como filha única, o segundo filho era um caminho certo e definido entre mim e meu marido.

Adiei um pouco, mas quando o José Carlos passou dos 2 anos e meio, bateu aquela ansiedade de novo e definimos que era um bom momento (aliás, nunca sabemos quando é um bom momento, mas se está decidido, que seja feito). 3 meses de tentativa e estava grávida do Théo.

Com um pouco mais de conhecimento e determinação, Théo nasceu com 39 semanas e 2 dias de gestação, de parto normal, depois de mais de 30 horas de dores, contrações e trabalho de parto.

Nasceu APLV, vários problemas de saúde e sustos até o seu terceiro mês, problemas com a amamentação, e meu trabalho como advogada não podia parar (nunca tive licença maternidade), mesmo com praticamente 2 bebês em casa. Entrei numa confusão de sentimentos e hoje percebo que vivi uma depressão pós-parto e não sabia.

Achando que não daria conta de mais um filho, mesmo querendo muito ter uma menina, combinei com o marido que ele faria a vasectomia e entraríamos para a fila de adoção (tentar a menina, mas pulando aquela fase inicial).

Para nossa surpresa, susto, desespero e muita felicidade (são sentimentos inexplicáveis), 5 meses depois da cirurgia e já com 9 semanas de gestação, descubro que o terceiro filho estava caminho (SIM! A cirurgia não deu certo, ele ainda tem um canal e podemos ter mais filhos, mas não está nos planos).

Estela veio para completar e cobrir as brechas da casa e da minha maternidade: a menina que tanto desejávamos, o equilíbrio de cores dentro de casa, o número ímpar mais perfeito que poderia existir, mas, principalmente, minha realização de parto: nasceu num lindo parto natural humanizado domiciliar em menos de 2 horas após o início das contrações.

A vida nem sempre é como planejamos. Que bom, né?

gravida maternidade

gravida parto humanizado

Comentários no Facebook
0 Comentários
Deixe um comentário