18.04.2017

Conheça os riscos da introdução de alimentos antes da hora

Bebês, Saúde

Quando devemos introduzir os alimentos na vida do bebê? A introdução alimentar é um momento muito importante e cheio de dúvidas.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde recomendam o aleitamento materno exclusivo até os 6 meses. E apenas depois dessa idade que outros alimentos passam a ser necessários.

Vejam as informações da nossa parceira nutricionista materno-infantil Dra. Bruna Albuquerque, da clinica Patricia Davidson, sobre os riscos de iniciar a introdução de novos alimentos antes da hora. Confiram!

Crying baby boy refusing to eat food from spoon with hands dirty

A introdução precoce de alimentos pode influenciar na duração do aleitamento materno, interferir na absorção de nutrientes do leite e aumentar o risco de reações alérgicas. O bebê possui imaturidade renal, hepática e do sistema imunológico, sua microbiota intestinal está se formando e as enzimas que atuam na digestão ainda tem produção insuficiente.

A partir do momento que são ofertados alimentos de forma precoce, principalmente quando existe uma predisposição genética, pode ocorrer inflamação da mucosa do intestino, levando a má absorção de nutrientes e predispondo a absorção dessas macromoléculas para a corrente sanguínea. O organismo reconhece isso como “corpo estranho” (antígenos).

Tal processo pode causar sobrecarga no sistema imune e no fígado, podem ocorrer manifestações alérgicas e formação de anticorpos contra os “corpos estranhos” ao que o organismo foi apresentado.

Alguns exemplos mais comuns de manifestações são: otite, refluxo, dermatite, bronquite, constipação, diarréia, alteração de sono etc.

Além disso o consumo de alimentos antes do tempo pode desencadear doenças crônicas não transmissíveis futuramente. Por isso, somente a partir do sexto mês devem ser oferecidos outros alimentos, com essa idade o bebê já consegue ficar sentadinho e sustentar o pescoço, isso facilita a aceitação dos alimentos ofertados em pedaços ou através da colher. A criança não apresenta mais o reflexo de protusão da língua, o que favorece a ingestão de alimentos semi sólidos, já possui maturidade fisiológica e neurológica e começa a erupção dos primeiros dentes, o que facilita a mastigação.

No que consiste a alimentação complementar? 

É definida como a oferta de outros alimentos ou líquidos à criança, em adição ao leite materno, que já não supre sozinho mais todas as necessidades do bebê.

Procure um Nutricionista para te auxiliar na elaboração de um plano alimentar individualizado para a introdução alimentar do seu filho.

 

Dra. Bruna Albuquerque é nutricionista materno-infantil da Clínica Patricia Davidson Haiat.
Consultório – (21) 2239.7200 / Rua Visconde de Pirajá, 572, 6° andar, Ipanema | Av. das Américas, 3.500, Toronto 2.000, Loja C, Barra da Tijuca / atendimento@patriciadavidson.com.br

03.04.2017

Visitas na maternidade: 8 regras básicas para não ser inconveniente

Bebês, Parto, To Grávida

A chegada ao mundo de um bebê é um momento emocionante e cheio de felicidades. Mas essa também é uma hora delicada, cansativa e com muitas novidades para os pais.

Receber visitas na maternidade é um tema que divide muito a opinião das mães. Algumas acham que lá é o melhor local, pela praticidade, para receber amigos e parentes. Já outras preferem receber depois, com calma, em casa. E vocês? O que preferem?

Para quem for visitar na maternidade, uma coisa é certa: é preciso ter bom senso. Antes de tudo pergunte para a mãe o que ela prefere e respeite essa decisão. Depois disso, veja quais são as principais regras para que a sua visita não se torne um inconveniente para os pais.

new born infant asleep in the blanket in delivery room

1)Avise que está a caminho

Confirme o melhor horário para a visita. Nunca chegue de surpresa, sem avisar. Os pais podem estar cansados no momento, a mãe pode estar aprendendo a amamentar ou fazendo o bebê dormir.

2) Não vá com perfumes fortes e lave as mãos ao chegar

Principalmente se você for pegar o bebê no colo. Nada de chegar da rua e já ir tocando na criança. E isso não é frescura… os bebês ainda não foram vacinados e colocam muito a mão na boca.

3) Não tire fotos sem permissão

Sabemos que dá muita vontade de já ir tirando mil fotos… rsrs Mas não custa nada perguntar antes para os pais. E lembre-se de tirar o flash para não assustar ou acordar o bebê.

4) Não leve crianças pequenas e agitadas

Dependendo da criança, pode não ser apropriado levar em uma maternidade. É um local calmo, onde se fala mais baixo, com bebês frágeis que acabaram de chegar ao mundo. Pode ter certeza que esse nem será um passeio divertido para ela.

5) Não vá doente

Nem precisa de muitas explicações para esse item, né? Os bebês acabaram de nascer, ainda são frágeis.

6) Não demore

Visitas na maternidade devem ser rapidinhas, para conhecer o baby e dar os parabéns aos papais e pronto. Devem durar 15 minutinhos no máximo. Mais do que isso só se você tiver muita intimidade e a mãe te pedir para ficar mais.

7) Guarde para você os palpites

Palpiteiros de plantão enlouquem as mães! rsrs Tudo é novo e quanto menos gente dando dicas, melhor! Nesse primeiros momentos deixe as dicas para quem entende realmente do assunto como os pediatras, obstetras e enfermeiras.

8) Faça silêncio

Essa é uma regra básica, mas parece quem nem todo mundo sabe. A visita na maternidade não é uma festa e um encontro de familiares. Se o bebê estiver dormindo, fale baixo para não acordá-lo. E se já tiverem visitas no quarto quando você chegar, aguarde para entrar.

 

20.03.2017

Seu filho não tem amigos? Veja como ajudar!

Bebês, Cuidados Diários, Educação dos Pequenos, Mamães & Papais

‘Ninguém gosta de mim’ ou ‘Ninguém me deixa jogar” são frases que provavelmente você já deve ter ouvido seu filho dizer. Se você já passou por essa experiência, sabe como é doloroso para a criança sentir que não tem amigos.

A amizade é tão importante para nós, quer sejamos crianças, adolescentes ou adultos.

Conversamos com a psicoterapeuta e parceira do blog, Mônica Pessanha sobre o assunto e ela nos contou informações super importantes da relação de amizade em cada fase dos nossos filhos. Confiram!

Kids With Ball

A maneira como lidamos com aquilo que está relacionado às amizades varia de acordo com o desenvolvimento da criança. As suas concepções de amizade vão variar e assumirão outras perspectivas a medida que vão amadurecendo, pois esse amadurecimento é o que vai acrescentar maior profundidade e significado à amizade.

Uma criança entre os 3-6 anos de idade, por exemplo, vê os amigos mais como companheiros momentâneos e sua ideia de amizade resume-se no fato de ela se divertir junta com outro amiguinho. Seu ciclo de amizade são de outras crianças convenientemente mais próximas e que fazem juntas as mesmas coisas de que gostam. Para as crianças dessa faixa etária, todas as crianças pensam da mesma forma que ela. Daí as briguinhas momentâneas ao descobrir que o amiguinho pensa diferente dela. Mas não é só as crianças de acima de 3 anos que se relacionam com os outros. Os bebês também, não ficam de fora da questão.

As crianças de até 6 meses, por exemplo, ficam animados quando veem outros bebês. Eles sorriem e fazem barulhos para tentar chamar a atenção do outro bebê e podem até engatinhar para se aproximar, mas tendem a tratar os colegas como brinquedos para explorar. Já dos doze aos 18 meses podem mostrar preferências visíveis por certos pares. Já são capazes de brincar com e de jogos simples como imitar uns aos outros ou pega-pega, o que mostra que eles têm pelo menos alguma capacidade rudimentar para entender a perspectiva de outra pessoa. O período de 2-3 anos de idade traz aquela fofura em que eles são gentis uns com os outros. Por exemplo, se eles veem um amigo chorando, tentam confortar esse amigo, oferecendo um cobertor especial.

Quando estão entre os 6-9 anos de idade, a ideia de amizade toma uma outra perspectiva. Nesse período, as crianças compreendem que a amizade vai além de qualquer atividade atual, mas eles ainda pensam em termos muito pragmáticos. Elas definem os amigos como crianças que fazem coisas boas para elas – como compartilhar um doce, guardar lugar no teatro ou cinema ou dar-lhes presentes legais. No entanto, elas ainda não consegue elaborar a ideia de que elas também contribuem para a construção dessa amizade. Essa perspectiva elas só passarão a ter a entre os 9-12 anos de idade e, às vezes, um pouco antes. Nessa fase, eles tem uma preocupação genuína entre eles, embora ainda não consigam se distanciar e no papel de observador, verificar os padrões de interação em relacionamentos.

É na adolescência – entre 13-18 anos, o período que talvez mais valorize as amizades. Nesse período, em termos de amizade, a preocupação principal do adolescente é ajudar o amigo a resolver os problemas que estiver enfrentando. Ele confia aos amigos os sentimentos e preocupações que não contam mais a ninguém. Além disso, demonstram uma preocupação sincera pelos amigos.

Ajudar nossos filhos a construírem amizades passa pela compreensão dessas fases e concepções que as crianças carregam sobre amizade em cada uma delas. Além de obter essa compreensão, em termos práticos, os pais podem fazer duas coisas importantes para ajudar a criança a fazer amizades. São elas:

  1. Ensine seu filho a dizer “Oi” – ensine a seu filho que um oi amigável, com contato visual é a forma mais eficaz de ajudar uma outra criança a sentir-se segurar de se aproximar e começar uma amizade.
  2. Ajude-o a ser bondoso -A bondade por menor que seja pode ser uma outra maneira de sinalizar boas intenções. Isso poderia significar emprestar um lápis a um colega de classe, ajudando-os a carregar alguma coisa, ou compartilhar um lanche. Bondade tende a suscitar bondade, e é uma das melhores maneiras de começar uma amizade. Você pode precisar ajudar seu filho a encontrar maneiras menos intrusivas de expressar boas intenções. Para aumentar as chances de que uma amizade vai crescer, as crianças precisam estender seus convites de amizade para as crianças que são suscetíveis de querer amizade.

Agora da próxima vez em que você ouvir a queixa de seu filho sobre o fato de não ter amigos, você já não se sentirá mais perdida, mas saberá, ou pelo menos, terá uma ideia de como agir.

 

Mônica Pessanha é psicoterapeuta de crianças e adolescentes, mãe da Mel, uma menina que adora desenhar, mantenedora das Brincadeiras Afetivas (Oficina terapêutica entre mães e filhos(as) – www.facebook.com/brincadeirasafetivas
Atende no Morumbi – SP – monicatpessanha@hotmail.com / (11)965126887 e (11)37215430 – Orientação e aconselhamento para pais por Skype.

 

Page 1 of 6412345